jusbrasil.com.br
4 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

6ª Turma

Julgamento

15 de Agosto de 2019
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

Acórdão: 0020024-05.2018.5.04.0124 (ROPS)
Redator: BEATRIZ RENCK
Órgão julgador: 6ª Turma
Data: 15/08/2019
PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA DO TRABALHO
TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO
Identificação

PROCESSO nº 0020024-05.2018.5.04.0124 (Pet)
REQUERENTE: RENATO ROCHA
REQUERIDO: A A BERBIGIER CONSTRUCOES - EPP
RELATOR: BEATRIZ RENCK

EMENTA

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os autos.

ACORDAM os Magistrados integrantes da 6ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região: por unanimidade, DAR PROVIMENTO PARCIAL AO RECURSO DO AUTOR para determinar a suspensão da exigibilidade dos honorários sucumbenciais em favor da demandada, vedada a dedução de eventual crédito futuro, tendo em vista a declaração de inconstitucionalidade da expressão "desde que não tenha obtido em juízo, ainda que em outro processo, créditos capazes de suportar a despesa", os quais, em caso de eventual liquidação deverão incidir apenas sobre os pedidos julgados totalmente improcedentes.

Intime-se.

Porto Alegre, 14 de agosto de 2019 (quarta-feira).

Cabeçalho do acórdão

Acórdão

RELATÓRIO

É o relatório.

FUNDAMENTAÇÃO

Razões de decidir.

Recurso do autor.

HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS SUCUMBENCIAIS. DA INCONSTITUCIONALIDADE DOS ART. 791-A, § 4o DA CLT E DO PREQUESTIONAMENTO DA MATÉRIA CONSTITUCIONAL E LEGAL.

O reclamante se insurge contra a sentença quanto à condenação ao pagamento de honorários sucumbenciais nos termos do art. 791-A da CLT, ao argumento de que o artigo viola diversos direitos fundamentais insculpidos na Constituição Federal de 1988. Ademais, na premissa de alteração do julgado, busca a condenação da recorrida ao pagamento de honorários sucumbenciais em seu favor "até o limite de 15% do valor da causa".

A propósito, a decisão, no aspecto, foi no seguinte sentido:

[...]

Considerando os critérios legais estampados nos incisos do § 2º do artigo 791-A, arbitro os honorários advocatícios em 10% sobre os valores objeto de condenação (intervalos intraturnos no valor de R$ 768,85) para o procurador do reclamante e de 10% sobre o valor dos pedidos rejeitados (R$ 12.068,68, considerando a soma dos valores indicados nos pedidos a, b, c, e, f, g do rol) para o procurador do reclamado. A reclamada é responsável pelo pagamento dos valores ora fixados a título de honorários para o procurador do autor, ao passo que o reclamante é o responsável pelo pagamento dos valores ora fixados a título de honorários para o procurador da ré. Destaco que, nos termos da parte final do § 3º do artigo 791-A, é vedada a compensação entre os honorários de sucumbência recíproca. Ressalto que a aplicação do artigo 791-A, § 4º será analisada na fase de execução (momento processual adequado).

[...]

Analiso.

Esclareço, de início, que o processo foi ajuizado em já na vigência da Lei 13.467/2017. Os honorários advocatícios sucumbenciais, portanto, são regidos pelo seguinte preceito normativo incorporado à CLT pela Lei nº 13.467, de 2017:

"Art. 791-A. Ao advogado, ainda que atue em causa própria, serão devidos honorários de sucumbência, fixados entre o mínimo de 5% (cinco por cento) e o máximo de 15% (quinze por cento) sobre o valor que resultar da liquidação da sentença, do proveito econômico obtido ou, não sendo possível mensurá-lo, sobre o valor atualizado da causa. [...]

§ 2o Ao fixar os honorários, o juízo observará:

I - o grau de zelo do profissional;

II - o lugar de prestação do serviço;

III - a natureza e a importância da causa;

IV - o trabalho realizado pelo advogado e o tempo exigido para o seu serviço.

§ 3o Na hipótese de procedência parcial, o juízo arbitrará honorários de sucumbência recíproca, vedada a compensação entre os honorários.

§ 4o Vencido o beneficiário da justiça gratuita, desde que não tenha obtido em juízo, ainda que em outro processo, créditos capazes de suportar a despesa, as obrigações decorrentes de sua sucumbência ficarão sob condição suspensiva de exigibilidade e somente poderão ser executadas se, nos dois anos subsequentes ao trânsito em julgado da decisão que as certificou, o credor demonstrar que deixou de existir a situação de insuficiência de recursos que justificou a concessão de gratuidade, extinguindo-se, passado esse prazo, tais obrigações do beneficiário."

Ainda em exame preambular, relembro que as argumentações do autor suscitaram o conhecimento de arguição incidental de inconstitucionalidade nestes mesmos autos o que, por sua vez, ensejou o exame da matéria pelo Tribunal Pleno deste Tribunal (acórdão de id-5327f33) cujo julgamento recebeu a seguinte ementa.

DECLARAÇÃO INCIDENTAL DE INCONSTITUCIONALIDADE. CONFRONTO DO ART. 791-A DA CLT COM REDAÇÃO DA LEI 13.467/2017 COM PRECEITOS CONSTITUCIONAIS QUE GARANTEM A ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA INTEGRAL E O ACESSO À JUSTIÇA.

É inconstitucional parte da norma inserida no § 4º art. 791-A da CLT, por força da Lei 13.467 de 13.07.2017, na medida em que impõe ao trabalhador beneficiário do instituto da assistência judiciária gratuita limitação ao exercício do amplo direito de ação e aos efeitos da concessão da justiça gratuita de forma integral, como garantem os preceitos constitucionais expressos nos incisos XXXV e LXXIV do art da CF/88, in verbis: "o Estado prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos." e "a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito." (TRT da 4ª Região, Tribunal Pleno, 0020024-05.2018.5.04.0124 PET, em 13/12/2018, Desembargadora Beatriz Renck)

Considerando que o recurso do autor não foi provido, entendo que a condenação em honorários advocaticios sucumbenciais em favor de seus procuradores deve permanecer inalterada no montante de 10% sobre os valores do único pedido deferido..

Por outro lado, considerando que à parte reclamante foi concedido o beneficio da justiça gratuita e os limites expressos no decisão do Tribunal Pleno acima referida, determino a suspensão dos honorários sucumbenciais enquanto subsistir a condição suspensiva do cumprimento de sua obrigação, ou melhor, enquanto persistir sua condição de insuficiência econômica. Incumbirá ao credor, oportunamente, demonstrar a emergência da capacidade econômico/financeira da parte no prazo de dois anos do trânsito em julgado da decisão condenatória.

Dou provimento parcial ao recurso do autor para determinar a suspensão da exigibilidade dos honorários sucumbenciais em favor da demandada, vedada a dedução de eventual crédito futuro, tendo em vista a declaração de inconstitucionalidade da expressão "desde que não tenha obtido em juízo, ainda que em outro processo, créditos capazes de suportar a despesa", os quais, em caso de eventual liquidação deverão incidir apenas sobre os pedidos julgados totalmente improcedentes.

Assinatura

BEATRIZ RENCK

Relator

VOTOS

PARTICIPARAM DO JULGAMENTO:

DESEMBARGADORA BEATRIZ RENCK (RELATORA)

DESEMBARGADOR FERNANDO LUIZ DE MOURA CASSAL

JUIZ CONVOCADO ROBERTO ANTONIO CARVALHO ZONTA

Disponível em: https://trt-4.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/745103646/rops-200240520185040124/inteiro-teor-745103656

Informações relacionadas

Naiggel Mansell dos Santos, Advogado
Modelosano passado

Modelo de Recurso Ordinário Trabalhista

Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região
Jurisprudênciaano passado

Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região TRT-4 - Recurso Ordinário Trabalhista: ROT 002XXXX-93.2019.5.04.0664

Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região TRT-3 - RECURSO ORDINARIO TRABALHISTA: RO 001XXXX-87.2018.5.03.0063 MG 001XXXX-87.2018.5.03.0063

Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região
Jurisprudênciaano passado

Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região TRT-4 - Recurso Ordinário Trabalhista: ROT 002XXXX-59.2019.5.04.0512

Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região
Jurisprudênciahá 6 anos

Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região TRT-11: 000XXXX-18.2014.5.11.0009